Ceratose Actínica

Translations:

A lesão pré-cancerígena mais comum 

Mais de dez milhões

Este é o número geralmente aceito como a melhor estimativa da quantidade de americanos diagnosticados com ceratose actínica (CA). Pessoas de pele clara, cabelo loiro ou ruivo e olhos azuis, verdes ou acinzentados têm maior susceptividade de desenvolver uma ou mais dessas lesões pré-cancerígenas caso passem muito tempo sob o Sol. O lugar onde se vive faz diferença: quanto mais próximo do Equador, maior a chance de desenvolver CAs.

A incidência é ligeiramente mais elevada nos homens, pois eles tendem a passar mais tempo sob o Sol e a usar menos proteção solar que as mulheres. Os afroamericanos, hispânicos, asiáticos e outros com pele mais escura não são tão susceptíveis quanto os caucasianos. 

Há motivo para preocupação?

A ceratose actínica pode ser o primeiro passo para o desenvolvimento do carcinoma de células escamosas (CCE), e por isso é conhecida como uma “lesão pré-cancerígena.” Embora a grande maioria das ceratoses actínicas permaneça benigna, alguns estudos apontaram que até 10% delas podem evoluir para um CCE. A porcentagem não parece muito alta, mas tem um grande impacto. Entre 40% e 60% dos CCEs começam como uma CA não tratada, e podem avançar até invadir os tecidos adjacentes. Entre 2% e 10% desses CCEs invadem órgãos internos e implicam risco de vida.

A queilite actínica é uma outra forma de CA, que se desenvolve nos lábios e também tem potencial para transformar-se em CCE.

Quanto mais lesões de ceratoses actínicas você tiver, maior é a probabilidade que uma ou mais se tornem câncer da pele. Alguns cientistas consideram a CA como a manifestação mais precoce do CCE.

O que é uma CA?

Uma certaose actínica (CA), também conhecida como ceratose solar, é uma formação (lesão) escamosa ou crostosa. Aparece mais frequentemente no roso, nas orelhas, nos lábios, no dorso das mãos, no antebraço, nos ombros, no colo, no couro cabeludo ou em outras áreas do corpo expostas frequentemente ao Sol. Em geral, usa-se o termo “ceratoses”, no plural, pois raramente há apenas uma lesão.

Inicialmente, as CAs são tão pequenas que é mais fácil reconhecê-las pelo tato do que pela observação. Ao palpá-las, a sensação é parecida com a de passar o dedo em uma lixa. Muitas vezes, há mais lesões invisíveis (subclínicas) do que visíveis na superfície da pele.

Em sua maioria, as CAs se desenvolvem lentamente e atingem um tamanho que varia de um oitavo até um quarto de uma polegada. A maior parte é avermelhada, mas algumas podem ser de cor café claro ou escuro, rosadas, ter uma combinação de todas essas cores ou até mesmo ser da cor da pele. Ocasionalmente, provocam coceira ou ardor, sensibilidade ou dor. Também podem inflamar e enrijecer. Raramente, as ceratoses actínicas também podem sangrar.

Caso você tenha certaose actínica, isso significa que tem dano solar, e pode desenvolver qualquer tipo de câncer de pele – não apenas o carcinoma de células escamosas.

  • Ceratose actínica no dorso da mão. Essas lesões ocorrem geralmente no rosto e no dorso das mãos.

  • A ampliação da lesão mostra elevação, aspereza e crostas. Algumas ceratoses, como essa, são bastante discretas e difíceis de serem distinguidas clinicamente do carcinoma espinocelular.

 

Como reconhecer a CA

Aqui são apresentados exemplos de CAs típicas. Recomenda-se que você examine regularmente sua pele, para detectar lesões parecidas com estas. No entanto, nem sempre é tão fácil assim. Muitas CAs apresentam diferentes aspectos. Portanto, caso você encontre qualquer lesão fora do normal ou que mude de tamanho, consulte imediatamente seu médico.

  • Ceratoses actínicas numerosas no couro cabeludo revelam dano solar crônico. Estas são elevadas, de textura áspera, e parecem verrugas.
  • Duas ceratoses típicas na borda da orelha. A lesão superior tem aspecto crostoso, e a inferior tem aspecto áspero.

  • Enquanto a maioria das ceratoses tem uma aspereza semelhante a uma lixa, outras, como esta lesão, têm uma superfície escamosa e crostosa.

  • Lábio inferior com rachaduras cheias de sangue seco e corno cutâneo que cobrem uma grande ceratose.


Qual é a causa?

A exposição crônica ao Sol é a causa da maioria das CAs. O dano solar é cumulativo. Portanto, mesmo um curto período de exposição será contabilizado e fará diferença no futuro. Dias nublados tampouco são mais seguros, já que entre 70% e 80% da radiação ultravioleta (UV) pode atravessar as nuvens e refletir-se na areia, na neve e em outras superfícies, provocando exposição adicional.

A radiação ultravioleta emitida pelas lâmpadas das câmaras de bronzeamento pode ser ainda mais perigosa que o Sol. Por isso, os dermatologistas alertam contra o bronzeamento artificial.

Ocasionalmente, CAs podem ser provocadas por exposição intensa a raios-X ou por diversos agentes químicos industriais.

O papel da idade

Como a quantidade total de tempo ao Sol é cumulativa e aumenta a cada ano, pessoas mais velhas são mais propensas a desenvolver ceratoses actínicas. Porém, atualmente, pessoas de 20 a 30 anos também são afetadas. No entanto, CAs são muito mais comuns em pessoas maiores de 50 anos. Alguns especialistas acreditam que quase todas as pessoas maiores de 80 anos têm ceratoses actínicas. 

Indivíduos que tiveram o sistema imune enfraquecido por quimioterapia, AIDS, transplantes ou exposição excessiva aos raios UV têm menor capacidade de combater os efeitos da radiação e, consequentemente, também  são mais propensos a desenvolver CAs. 

Por que tratar?

Apesar de a ceratose actínica ser a lesão pré-cancerígena mais comum, nem todas as ceratoses se transformam em câncer. Infelizmente, não há como saber antecipadamente quais CAs são precursoras de carcinoma de células escamosas. Mas, felizmente, há diversos tratamentos para eliminar as CAs.

Antes de escolher o tratamento, o médico solicita uma biópsia para verificar se a CA é de fato maligna. Ele faz isso removendo a parte superior da lesão com bisturi ou cureta. Esse procedimento requer anestesia local, e o sangramento normalmente é interrompido com um agente hemostático.

Opções terapêuticas

Medicamentos tópicos

Os cremes receitados são muito eficientes sozinhos ou em combinação com outro tipo de tratamento, quando a pessoa tem muitas ceratoses actínicas.

O 5-Fluoracil (5-FU) líquido ou em pomada, em concentração de 0,5 a 5%, tem a aprovação da FDA é o tratamento tópico mais utilizado para a CA. É efetivo não apenas contra as lesões superficiais, mas também contra as lesões subclínicas. Quando aplicado sobre as lesões uma ou duas vezes ao dia, durante duas a quatro semanas, permite uma taxa de cura de 93%. Podem ocorrer vermelhidão, inchaço e formação de crostas, mas são temporários. Normalmente, as lesões são curadas duas semanas após o do tratamento. Cicatrizes são raras, e o resultado cosmético é bom.

O Imiquimod 5% em creme, também aprovado pela FDA, age de forma diferente: estimula o sistema imune para produzir interferon, um agente químico que destrói células cancerosas e pré-cancerosas. É aplicado suavemente sobre a lesão duas vezes por semana, durante um período de quatro a dezesseis semanas. O creme geralmente é bem tolerado, mas algumas pessoas podem ter vermelhidão, ulcerações e dor.

O diclofenaco é um medicamento anti-inflamatório não-esteroidal, usado em combinação com o ácido hialurônico, um agente químico encontrado naturalmente no corpo. O medicamento é aplicado duas vezes por dia, durante dois ou três meses. O diclofenaco previne uma resposta inflamatória, portanto é bem tolerado, e o ácido hialurônico adia a absorção do diclofenaco, aumentando sua concentração na pele. É utilizado em pessoas que são hipersensíveis a outros tratamentos tópicos.

Criocirurgia

É o método mais usado quando há um número limitado de lesões. A criocirurgia não requer anestesia e consiste na aplicação de nitrogênio líquido sobre a lesão, com um dispositivo de aerossol ou uma ponta de algodão. Isso leva ao congelamento das lesões, sem a necessidade de remover tecido. As lesões reduzem de tamanho, viram crostas e caem. Podem ocorrer temporariamente vermelhidão e inchaço local após o tratamento. Em alguns pacientes, pequenas manchas brancas podem ficar permanentes. 

Combinação de terapias

Se utilizar uma forma de tratamento já é bom, empregar algumas das opções terapêuticas aqui mencionadas em conjunto ou em sequência talvez seja especialmente eficaz. Isso pode aumentar as chances de cura e reduzir os efeitos colaterais. Por exemplo, uma ou duas semanas de 5-FU seguidas de criocirurgia podem diminuir o tempo de tratamento do 5-FU e diminuir a formação de manchas brancas após a criocirurgia. 

Peeling Químico

Este método, mais conhecido por sua capacidade de melhorar os sinais do fotoenvelhecimento, pode ser empregado também para remover algumas CAs da face. Aplica-se um ácido tricloroacético (ATC) e/ou agentes químicos similares diretamente sobre a pele. As camadas superiores da pele se desprendem e em geral se regeneram em sete dias. Essa técnica requer anestesia local e poderá causar mudanças na pigmentação e irritação temporárias. 

Cirurgia a Laser

Utiliza-se um laser de dióxido de carbono ou de Erbium YAG sobre a lesão, e o laser penetra e age através do tecido, sem provocar sangramento. Essa opção é boa para lesões em áreas pequenas ou restritas, e pode ser particularmente eficaz para ceratoses na face e no couro cabeludo, assim como para quelite actínica dos lábios. Entretanto, pode necessitar de anestesia local ou ocorrer perda de pigmentação. Os lasers são úteis para as pessoas que tomam anticoagulantes, e também são utilizados como tratamento alternativo quando outros métodos não obtêm sucesso.  

Terapia fotodinâmica (PDT)

A terapia fotodinâmica pode ser especialmente útil para lesões na face ou no couro cabeludo. Consiste na aplicação de um agente fotossensibilizante tópico, o ácido 5-aminolevulínico (5-ALA), nas lesões. Em seguida, a área a ser tratada é exposta a uma luz que ativa o 5-ALA. O tratamento destrói as ceratoses actínicas seletivamente, causando pouco dano ao tecido normal, embora seja comum a ocorrência de edema ou vermelhidão local.

Como prevenir a CA

A melhor forma de prevenir a ceratose actínica é proteger-se do Sol. Seguem abaixo alguns hábitos de exposição solar segura que realmente funcionam:

  • Procure ficar na sombra, especialmente entre 10 da manhã e 4 da tarde.
  • Não se queime.
  • Evite bronzear-se ou utilizar câmaras de bronzeamento artificial.
  • Para proteger-se do Sol, vista-se adequadamente e utilize chapéu de abas largas e óculos de Sol com filtros para radiação UV.
  • Use um filtro solar de amplo espectro (UVA/UVB) todos os dias, com  FPS 15 ou superior. Para atividades prolongadas ao ar livre, use um filtro solar resistente à água, de amplo espectro (UVA/UVB) com FPS 30 ou superior.
  • Aplique 30 gramas (ou duas colheres) no corpo inteiro 30 minutos antes de sair ao ar livre. Reaplique a cada 2 horas ou depois de nadar ou suar em excesso.
  • Mantenha os recém-nascidos longe do Sol. Filtros solares só podem ser utilizados por bebês maiores de 6 meses.
  • Realize um autoexame da pele, da cabeça aos pés, a cada 6 meses.
  • Consulte seu dermatologista todos os anos, para que ele faça um exame completo da pele. 


Imagens cortesia de:

Dr. Pearon G. Lang, Jr., e Departamento de Dermatologia de MSKCC 

Revisores Médicos:

Dr. Rex A. Amonette • Dr. David J. Leffell • Dr. Perry Robins 

Revisor Médico da Tradução:

Luciana Maluf Azevedo Azevedo, MD

 

Uma PUBLICAÇÂO DE THE SKIN CANCER FOUNDATION

Para mais informações ou folhetos adicionais, entre em contato com:

The Skin Cancer Foundation

www.SkinCancer.org

149 Madison Ave., Suite 901, New York, NY 10016

©1993. Revisado em 2002, 2004, 2007, 2010.
Impresso nos EUA