Notícias sobre sol e pele

Dermatologistas + Máquinas: Melhor Juntos? Parte 3

Por Skin Cancer Foundation • 7 de junho de 2021
Ilustração da visita virtual de James Yang

O diagnóstico do câncer de pele é um processo visual. Os olhos treinados de um dermatologista têm sido o estado da arte. Mas os avanços tecnológicos estão mostrando que as ferramentas digitais têm um futuro promissor para ajudar os médicos a obter diagnósticos de câncer de pele mais precoces e precisos - e envolver os pacientes a assumir um papel mais ativo em seus próprios cuidados. Dentro parte 1, examinamos scanners corporais totais. Dentro parte 2, aprendemos como a tecnologia está evoluindo para ajudar a diagnosticar cânceres de pele em seus estágios iniciais e mais curáveis. A Parte 3 aborda as visitas virtuais e como proteger seus valiosos dados médicos.

Por Dan Ferber

Visitas virtuais: prós e contras 

Muitos pacientes vivem em áreas onde os dermatologistas qualificados são escassos, e eles têm que viajar um longo caminho para as consultas. “Você pode imaginar que os pacientes em uma área rural, onde a clínica mais próxima pode estar a 60 milhas de distância, podem não estar recebendo exames de pele regulares ou os cuidados de que precisam”, diz Steven Q. Wang, MD, diretor de Cirurgia Dermatológica e Dermatologia da Memorial Sloan Kettering Cancer Center em Basking Ridge, Nova Jersey. Isso pode significar que os cânceres de pele não são detectados precocemente, quando são mais curáveis.

Uma solução é uma visita virtual, chamada de teledermatologia. É uma subespecialidade em rápido desenvolvimento que usa a tecnologia mais recente para permitir aos pacientes um melhor acesso a cuidados dermatológicos de alta qualidade sem precisar ir de casa para a clínica. A teledermatologia tem o potencial de economizar tempo e dinheiro – e também beneficiar pacientes e médicos.

Por exemplo, em vez de voltar para uma consulta de acompanhamento com um dermatologista, os pacientes podem tirar uma foto com o telefone e enviá-la ao médico. O médico pode ver se a pessoa está melhorando, ligar de volta e orientar se deve ou não continuar com a medicação. Se o paciente estiver preocupado com uma lesão suspeita, o médico pode ver se ela mudou a partir de uma foto inicial e determinar se o paciente precisa ir ao consultório ou se não tem com o que se preocupar.

Há desvantagens, é claro. “Muitas vezes, as pessoas tiram fotos realmente em close com pouca iluminação e esperam que saibamos o que é”, diz o Dr. Wang. “Se você deseja enviar fotos digitais ao seu médico, aprenda a tirar uma foto melhor.” Certifique-se de que suas imagens estejam em foco, bem iluminadas e mostrem um pouco da pele ao redor para contextualizar. E use um portal de paciente seguro quando puder.

Mesmo quando os pacientes enviam boas imagens, as limitações permanecem. Por melhor que seja uma fotografia, ela não informa ao médico sobre a textura de uma lesão de pele, que pode ser importante para o diagnóstico. Além do mais, os médicos são mal remunerados pela teledermatologia, e as empresas de telemedicina às vezes têm outros fornecedores além dos médicos para avaliar as imagens. O Dr. Wang diz: "Quando não há dermatologista para fazer o diagnóstico, isso pode sacrificar a qualidade do atendimento".

Como proteger todos esses dados valiosos?

Como em outras áreas da medicina, a privacidade do paciente é fundamental, mas não há uma maneira padrão de enviar fotos digitais com segurança e armazená-las no prontuário eletrônico do paciente. Bancos de dados centralizados de qualquer tipo, incluindo registros eletrônicos de saúde, podem ser vulneráveis ​​a hackers, diz o Dr. Wang. A tecnologia Blockchain (um sistema digital que divide os registros e distribui os dados para uma rede de computadores vinculados) pode ajudar tornando as imagens armazenadas e outros registros médicos virtualmente invioláveis.

Com a tecnologia blockchain, não há repositório central de dados. Em vez disso, conjuntos ou “blocos” de dados são criptografados de maneira difícil de decifrar, depois replicados e gravados simultaneamente em vários computadores. Essas máquinas servem como nodos de uma rede e, se os hackers comprometerem um nodo, a rede responderá como nosso sistema imunológico – ela exclui o nodo infectado para proteger o resto da rede. Embora ainda seja cedo no jogo, o Dr. Wang vê o blockchain sendo usado para proteger registros médicos eletrônicos e talvez dados de fotografia de corpo inteiro. “É uma tecnologia muito empolgante que deve deixar as mentes mais tranquilas”, diz ele.


Dan Ferber é um jornalista que mora perto da cidade de Nova York e ex-editor da Descobrir revista. Ele escreve sobre ciência, medicina e outros tópicos para publicações nacionais.

Jornal SCF 2019
* Este artigo foi publicado pela primeira vez na edição de 2019 da revista O Jornal da Fundação do Câncer de Pele.

Faça uma doação
Procure um dermatologista

Produtos recomendados