Notícias sobre sol e pele

Da sobrevivência à defesa de direitos: abraçando minha odisséia pelo melanoma como um guerreiro

Por Amy Nichole • 19 de janeiro de 2024


Minha jornada com melanoma começou quando eu tinha 28 anos. Posteriormente, lutei contra mais três melanomas, marcando uma passagem turbulenta e transformadora pelos meus 20 e 30 anos.

Esta série de diagnósticos ressalta a importância crítica da vigilância e da proatividade em relação à saúde da pele. Aprendi que ação rápida e detecção precoce são cruciais na luta contra esta doença formidável.

Minha jornada contra o câncer de pele

Susto cirúrgico de melanoma em mulher jovem.

Incisão pós-operatória na parte superior do tórax. Foto de : Amy Nichole

A relação da minha pele com o sol começou quando eu era jovem; meu pele clara e as sardas são minha identidade desde a infância. Aos 8 anos, um escaldante queimadura de sol deixei um padrão único, semelhante a uma marca de nascença, em meu braço e na parte superior das costas, que foi inicialmente descartado como uma reação ao sol. Mais tarde, descobri que esse padrão é a síndrome da verruga atípica, também conhecida como síndrome do nevo displásico, uma condição que aumenta meu risco de câncer de pele.

Várias biópsias aos meus 20 anos confirmaram a presença de condições pré-cancerígenas, instando-me a adotar exames de pele profissionais rigorosos a cada 3-6 meses. O alarme soou alto e claro em junho de 2016, quando uma mancha no meu peito sofreu uma mudança drástica e fui diagnosticado com estágio 1B melanoma.

Em fevereiro de 2019, meu segundo melanoma surgiu de um nevo displásico naquela área padronizada da pele, desta vez na parte superior do braço direito, quase avançando para o estágio 2. Fui tratado com Cirurgia de Mohs que durou 6 horas, removendo o melanoma com margens claras. Como se não bastasse, pouco tempo depois, um terceiro melanoma surgiu como estágio 1A, a poucos centímetros de seu antecessor.

Neste ponto, a educação tornou-se meu escudo, a defesa de direitos minha arma. Mas o câncer de pele era implacável. Em maio de 2023, meu quarto melanoma surgiu na parte superior direita das costas, estágio 0. A excisão oportuna frustrou sua progressão, outra prova da necessidade de vigilância constante.

Atualmente, estou em remissão, passando por teste genético para entender a natureza agressiva dos meus melanomas.

Advogando por mim mesmo

Navegar por vários diagnósticos não envolveu apenas tratamentos e estágios médicos; foi uma emoção profunda e desafio mental.

Meus melanomas não aderiram ao convencional Sinais de alerta ABCDE; eles eram 'Patinhos Feios,’ distinto, mas muitas vezes esquecido. Conhecer minha pele e ser consistente com auto-exame têm sido vitais na detecção precoce.

Através dessas provações, aprendi a lição inestimável de ser meu próprio defensor. Depois de me mudar para um novo estado, encontrei um médico que não deu atenção às minhas preocupações com a minha pele, o que me levou a procurar em outro lugar uma equipe de saúde que me apoiasse mais.

Minha batalha contra a síndrome do nevo displásico moderado também me levou a colaborar estreitamente com um oncologista para exames abrangentes. Outro momento crucial ocorreu em 2023, quando, apesar do ceticismo do médico, optei por uma biópsia que revelou o meu melanoma mais recente.

Compreendendo os riscos e priorizando a saúde da pele

Minha adolescência foi desprovida de questões cruciais segurança do sol conhecimento. Olhando para trás, gostaria de ter sabido o que estava por vir; Eu teria mudado tudo o que fiz. Aquelas horas gastas perseguindo o perfeito bronzeado levou a uma extensa e desprotegida a exposição ao sol que só resultou em queimaduras e, eventualmente, câncer de pele. É uma decisão da qual me arrependo profundamente.

O câncer de pele é sério. É importante compreender os riscos perigosos da exposição aos raios UV e o seu impacto significativo na saúde da pele. Troquei meu guarda-roupa por roupas UPF 50+, protegendo o maior órgão do meu corpo o ano todo. Aplicar protetor solar FPS 30+ e vestir roupas de proteção, independentemente das condições climáticas, agora é minha norma.

 

Uma mulher e seu cachorro

Foto de : Amy Nichole

Capacitando a Educação e a Defesa de Direitos

A Skin Cancer Foundation tem sido um pilar fundamental na minha jornada, oferecendo apoio e recursos que fomentaram a minha resiliência.

Meu conselho para você é proteger o maior órgão do seu corpo. Evite o bronzeado, proteja a sua pele, aprenda com os meus erros e tome cuidado com os perigos do sol:

  • Verifique sua pele mensalmente e faça com que sua pele seja examinada anualmente por um dermatologista.
  • Proteja-o diligentemente aplicando e reaplicando protetor solar, independentemente das condições meteorológicas.
  • Utilize UPF protetor roupa, óculos de sol, luvas de sol e chapéus de abas largas.
  • Confie na orientação médica, mas defenda-se ferozmente.

Abraçando nossa pele única e compartilhando nossas histórias cultiva uma comunidade de apoio. Cada cicatriz narra uma história; eles nos lembram de permanecer unidos. Nunca estamos sozinhos. A esperança alimenta nossa resiliência. Juntos somos mais fortes.

My jornada do câncer de pele alimenta meu fervor em educar e ajudar pessoas de todas as idades a compreender os riscos perigosos da exposição aos raios UV. Este compromisso reflete-se nos meus esforços filantrópicos para a Skin Cancer Foundation, onde espero conscientizar e apoiar aqueles que navegam em jornadas semelhantes.

Sobre o autor: Amy Nichole é fotógrafa de retratos de estilo de vida e mora em Nevada.

Faça uma doação
Procure um dermatologista

Produtos recomendados