Notícias sobre sol e pele

Sinais surpreendentes de dano solar

By julie bain • 26 de setembro de 2022
Mulher tomando sol, imagem de cabeçalho para danos causados ​​pelo sol

Seu rosto reflete quem você é e onde esteve, e o tempo passado ao sol pode ter deixado sua marca de várias maneiras. Se você não gosta do que vê, pode melhorar a aparência da sua pele com algumas etapas simples de nossos dermatologistas especializados.

Você já se olhou no espelho e pensou: “Por que pareço mais velho do que me sinto?” A verdade é que a aparência da sua pele pode ter mais a ver com o quanto você se aqueceu ao sol do que com quantas órbitas de aniversário você fez. “Há uma lacuna na conscientização sobre o que causa os chamados 'sinais de envelhecimento' em nossa pele”, diz Deborah S. Sarnoff, MD, presidente da The Skin Cancer Foundation. “Meus pacientes geralmente ficam surpresos ao saber que a maioria desses sinais está relacionada a danos causados ​​pelo sol.”

Você já sabe disso luz ultravioleta (UV) da exposição ao sol pode levar ao câncer de pele - e que proteger sua pele é a melhor maneira de previna-se. Proteger a pele do sol também é a melhor maneira de mantê-la jovem, e nunca é tarde para começar. Mas e se o dano já estiver feito, desde quando você era uma criança que simplesmente não conhecia nada melhor, ou quando você teve que trabalhar fora, ou quando você pensou que ficaria melhor para uma ocasião especial com um bronzeado profundo e escuro?

A Dra. Sarnoff já viu de tudo em sua prática movimentada. O mesmo aconteceu com Washington, DC, a dermatologista Tina Alster, MD, que ajuda a explicar os danos causados ​​pelo sol à nossa pele - e algumas soluções sugeridas.

Sim, estes são todos os sinais de danos causados ​​pelo sol!

Rugas: Eu digo aos meus pacientes que mais de 90% das rugas associadas ao envelhecimento estão, na verdade, relacionadas aos danos solares cumulativos. O colágeno e a elastina são proteínas que tornam a pele firme, flexível e resistente, mas a radiação ultravioleta da exposição ao sol pode destruí-las. Os dermatologistas chamam os danos crônicos do sol ao longo dos anos de “fotoenvelhecimento” e, é claro, isso leva ao aparecimento de rugas. Pense nisso: não vemos muitas rugas na pele não exposta, como nádegas, seios ou outras áreas onde o sol não incide. A pele exposta tende a ser mais enrugada, e o sol desempenha um grande papel nisso.

Vasos sanguíneos rompidos: Você notou algumas veias vermelhas em volta do nariz e das bochechas? Sim, são causados ​​pela exposição à luz ultravioleta. Quando as pessoas dizem que “romperam” os vasos sanguíneos, isso é um nome impróprio. Se os vasos sanguíneos fossem rompidos, eles sangravam na pele e causavam hematomas. Na verdade, esses vasos são aumentados. Eles estão “quebrados” porque não estão fazendo o que deveriam estar fazendo, que é bombear o sangue de uma área para outra e ficar em forma (ou firme) e, portanto, invisível.

As fibras de elastina normalmente mantêm os vasos sanguíneos tensos. Mas quando essas fibras são quebradas pela exposição ao sol, elas são incapazes de sustentar os vasos e mantê-los firmes. Os vasos sangüíneos aumentam (ou afundam) - e se tornam visíveis. Muitos pacientes apresentam vasos dilatados nas laterais do nariz ou bochechas, mas também é comum que grandes vasos sanguíneos apareçam no peito, que geralmente recebe muita exposição ao sol.

Manchas marrom: Não importa quantas vezes meus pacientes me digam que tiveram manchas marrons ou sardas durante toda a vida, eu respondo gentilmente: “Não, você não teve”. É apenas um fato. Quando um paciente me diz: “Bem, minha mãe disse que nasci com eles”, eu digo: “Não, você não nasceu. Quando sua mãe colocou você ao ar livre e expôs sua pele ao sol pela primeira vez, foi quando você desenvolveu sardas.”

Os dermatologistas chamam as sardas de “efélides” e as manchas bronzeadas maiores de “lentigos solares”. A maioria das pessoas costuma se referir a elas como manchas da idade, mas não estão relacionadas à idade; estão relacionados com a exposição solar. Às vezes, eles podem coalescer e se tornar big manchas marrons – que são diferentes de marcas de nascença marrons pigmentadas ou lesões escamosas chamadas queratoses. 

Hiperpigmentação: Os pacientes geralmente se queixam de pele manchada ou manchada, com evidência de manchas escuras e claras. Às vezes, pode haver evidência de descoloração vermelha também. Esta é uma preocupação cosmética comum e não indica uma condição médica subjacente. A pele inflamada pode se tornar hiperpigmentada, e uma causa frequente dessa inflamação da pele é a exposição ao sol.

Hiperpigmentação e manchas na pele levam muitas pessoas a procurar tratamento. A maioria dos pacientes não sabe que a descoloração escura está relacionada a danos crônicos causados ​​pelo sol. Muitos podem ter usado produtos de clareamento da pele vendidos sem receita, que muitas vezes podem aumentar a irritação e a inflamação da pele, levando a ainda mais pigmentação.

Com tantas pessoas usando máscaras durante a pandemia, a pele do rosto, que costuma receber exposição acidental ao sol, ficou mais protegida. Infelizmente, a maioria das pessoas não aplica protetor solar suficiente ou não o usa de forma consistente. No entanto, como as máscaras fornecem um bloqueio físico ao sol, elas tiveram um efeito positivo não intencional: notei muito menos hiperpigmentação na parte inferior da face de meus pacientes nos últimos dois anos!

Melasma: Usar uma máscara facial protetora também ajudou com os sinais de melasma, que aparecem como manchas escuras na pele facial exposta ao sol, principalmente nas maçãs do rosto. Embora hormônios como o estrogênio possam piorar o melasma, sua aparência é causada principalmente pela inflamação da pele induzida pela exposição crônica (ou repetida) ao sol.

Cravos: Não estamos falando de cravos associados à acne, mas de aglomerados de cravos que aparecem nas têmporas e bochechas como consequência da diminuição da elasticidade da pele devido à exposição crônica ao sol. A perda de fibras de elastina faz com que as fendas e os poros da pele aumentem, retendo assim a sujeira que se torna preta. Essa condição é chamada de síndrome de Favre-Racouchot e é mais comumente observada em homens de meia-idade com histórico de exposição excessiva ao sol.

Um pescoço vermelho: Isso é diferente de sofrer uma queimadura aguda após exposição recente ao sol. Uma descoloração permanentemente vermelha (e muitas vezes semelhante a uma rede ou manchada) nas laterais do pescoço e no peito central é uma condição chamada poiquilodermia.

Pessoas que passam muito tempo ao ar livre, como jardineiros, trabalhadores da construção civil, motoristas de caminhão e atletas, são particularmente propensas a essa condição devido ao longo período de tempo que essas áreas ficam expostas à luz ultravioleta. A pele exposta do pescoço e do peito desenvolve vasos sanguíneos dilatados, que fazem com que a pele fique permanentemente vermelha. É interessante que a pele sob o queixo geralmente não é afetada por causa da sombra que o queixo projeta na frente do pescoço, protegendo-a do sol.

Invertendo Dano Solar

Proteção solar consistente: Avalio pacientes com danos causados ​​pelo sol o dia todo. Antes de realizar qualquer tratamento no consultório, incentivo meus pacientes a fazerem o dever de casa. A primeira coisa é prevenir danos futuros à pele, aplicando protetor solar em toda a pele exposta, mas especialmente no rosto - todos os dias, durante todo o ano. Também recomendo que medidas adicionais de proteção solar sejam usadas, como usar roupa de proteção, chapéus e óculos de sol e, sempre que possível, procurar sombra.

Melhor cuidado da pele: O dever de casa adicional envolve a adesão a um programa consistente de manutenção dos cuidados com a pele. Eu recomendo que meus pacientes sigam uma boa rotina de cuidados com a pele por pelo menos um mês antes dos tratamentos em consultório. Isso me mostra que eles são membros da equipe e fazem sua parte para alcançar o objetivo comum de uma pele radiante e saudável! Aqui está a minha receita:

  • Pela manhã: Proteger. Antes de aplicar o protetor solar facial pela manhã, coloque um produto tópico de vitamina C antioxidante. Isso aumentará a capacidade do protetor solar de proteger a pele dos radicais livres que podem danificá-la. Um soro ou gel de vitamina C também pode ajudar a estimular a produção de novo colágeno, tornando a pele mais saudável.
  • À noite: reparação. Para ajudar a reparar ou até mesmo reverter os danos causados ​​pelo sol, sua melhor arma é um derivado da vitamina A. O que isso significa? Bem, se sua pele aguentar, você pode usar Retin-A. Muitos pacientes não conseguem usar Retin-A todas as noites devido à irritação (ressecamento), por isso geralmente recomendo um creme ou hidratante contendo retinol que ajude a estimular a produção de novo colágeno, clarear a pele descolorida e reduzir linhas finas.

Se você quiser acrescentar algo a esta fórmula simples, sugiro um creme para os olhos que contém peptídeos, para aumentar a produção de colágeno na delicada área ao redor dos olhos. Os cremes para os olhos são melhor usados ​​à noite (eles rejuvenescem enquanto você dorme), mas também podem ser usados ​​sob a maquiagem durante o dia.

Se você seguir consistentemente esse plano de proteger pela manhã e reparar à noite por um mês, ele prepara o terreno para qualquer procedimento que possa ser realizado no consultório. se você continuar com isso, poderá fazer a diferença nos danos causados ​​​​pelo sol que já possui. É como ir à academia: você tem que fazer disso um hábito.

Procedimentos de escritório: Para reduzir as rugas, existem muitas opções de tratamento. As rugas podem ser preenchidas (ou preenchidas) com qualquer um dos vários injetáveis ​​cosméticos, incluindo Juvederm e Restylane. A maioria dos “preenchedores” é composta de ácido hialurônico, uma substância natural que proporciona amortecimento e estrutura à pele. O microagulhamento das rugas com um dispositivo portátil motorizado que insere agulhas finas na pele para melhorar a textura da pele é outra opção de tratamento. E, claro, há uma variedade de lasers que podem ressurgir a pele e literalmente vaporizar as rugas e/ou induzir a formação de novo colágeno para reduzir sua aparência.

Se os chamados “vasos sanguíneos rompidos” ou manchas de sol exigirem tratamento, lasers especializados são recomendados para atingir e remover os vasos sanguíneos ou pigmentos indesejados. É importante que os pacientes evitem a exposição ao sol antes e depois do tratamento com laser para evitar efeitos colaterais. Da mesma forma, o poiquiloderma pode ser tratado com lasers e luzes intensas pulsadas (ou IPL) que podem tratar a vermelhidão difusa da pele e a hiperpigmentação.

Por outro lado, para hiperpigmentação ou melasma, recomendo peelings químicos em vez de tratamento a laser porque o calor produzido pelos lasers em uma pele tão sensível pode causar mais inflamação que, por sua vez, pode piorar a pigmentação.

A linha inferior: Quase todo mundo tem algum grau de fotodano. Embora não haja varinha mágica para fazer desaparecer os sinais desse dano, com essas etapas, você verá melhorias. Nunca é tarde para começar a cuidar da sua pele!


Sobre os Especialistas:

Tina Alster, MD, é diretor do Washington Institute of Dermatologic Laser Surgery e professor clínico de Dermatologia na Georgetown University em Washington, DC.

 

 

 

Deborah S. Sarnoff, MD, é professor clínico de dermatologia no Departamento de Dermatologia Ronald O. Perelman da NYU Grossman School of Medicine. Ela é cofundadora e codiretora da Cosmetique Dermatology, Laser & Plastic Surgery LLP em Manhattan e Long Island, e presidente da The Skin Cancer Foundation.

 

 


Destaque no The 2022 Skin Cancer Foundation Journal

Faça uma doação
Procure um dermatologista

Produtos recomendados