Cirurgia de Mohs

A técnica mais eficaz para o tratamento de câncer de pele comum

A cirurgia de Mohs é considerada a técnica mais eficaz para o tratamento de muitas carcinomas basocelulares (BCC) e carcinomas de células escamosas (SCCs), os dois tipos mais comuns de câncer de pele. Às vezes chamado de cirurgia micrográfica de Mohs, o procedimento é feito em etapas, incluindo trabalho de laboratório, enquanto o paciente espera. Isso permite a remoção de todas as células cancerosas para a maior taxa de cura, poupando tecido saudável e deixando a menor cicatriz possível.

Começou como um técnica chamada quimiocirurgia, desenvolvido por Frederic E. Mohs, MD, no final da década de 1930, mas não era amplamente conhecido. Em meados da década de 1960, Perry Robins, médico, estudou o procedimento com o Dr. Mohs e reconheceu que tinha grande potencial para a área da dermatologia. Ele trouxe a técnica para a NYU, onde estabeleceu o primeiro programa de treinamento de bolsas para ensinar aos dermatologistas essa cirurgia de câncer de pele. Dr. Robins ajudou a avançar o procedimento para o que hoje é chamado de cirurgia de Mohs e passou a ensiná-lo e promovê-lo em todo o mundo.

A vantagem de Mohs

TAXA DE CURA
para um câncer de pele que não foi tratado antes

Quem realiza o procedimento?

A cirurgia de Mohs é realizada por médicos especialmente treinados para cumprir três funções:

  1. como o cirurgião que remove o tecido canceroso
  2. como o patologista que analisa as amostras de laboratório
  3. como o cirurgião que fecha ou reconstrói a ferida

Vantagens da cirurgia de Mohs

Tratamento eficiente e econômico

  • Cirurgia ambulatorial em consulta única
  • Anestesia local
  • Trabalho de laboratório feito no local

Resultados precisos

  • Médico examina 100% das margens do tumor
  • Poupa tecido saudável
  • Deixa a menor cicatriz possível

A maior taxa de cura

  • Até 99% para um câncer de pele que não foi tratado antes
  • Até 94% para um câncer de pele recorrente após tratamento anterior

O que acontece durante a cirurgia de Mohs

O procedimento é feito em etapas, tudo em uma visita, enquanto o paciente espera entre cada etapa. Depois de remover uma camada de tecido, o cirurgião a examina ao microscópio em um laboratório no local. Se alguma célula cancerosa permanecer, o cirurgião sabe a área exata onde ela está e remove outra camada de tecido desse local preciso, poupando o máximo de tecido saudável possível. O médico repete esse processo até que não restem células cancerígenas.

Passo 1: Exame e preparação

Dependendo da localização do seu câncer de pele, você pode usar suas roupas de rua ou pode precisar colocar um vestido de hospital. O cirurgião de Mohs examina o local onde você fez sua biópsia e pode marcá-lo com uma caneta para referência. O médico o posiciona para melhor acesso, o que pode significar sentar ou deitar. Um campo cirúrgico é colocado sobre a área. Se o câncer de pele está no rosto, isso pode significar que você não pode ver o que está acontecendo, mas o médico fala sobre isso. O cirurgião então injeta uma anestesia local, que adormece a área completamente. Você fica acordado durante todo o procedimento.

Etapa 2: remoção da camada superior

Usando um bisturi, o cirurgião remove uma fina camada de tecido canceroso visível. Alguns cânceres de pele podem ser “a ponta do iceberg”, o que significa que eles têm raízes ou extensões que não são visíveis da superfície. A análise de laboratório, que vem a seguir, determinará isso. Sua ferida é enfaixada temporariamente e você pode relaxar enquanto o trabalho de laboratório começa.

Etapa 3: análise de laboratório

O cirurgião corta o tecido em seções, os codifica por cores com corantes e desenha um mapa do local cirúrgico. No laboratório, um técnico congela o tecido dividido e depois corta fatias horizontais muito finas, como um bolo em camadas. As fatias são colocadas em lâminas de microscópio, coradas e cobertas. Esse processo meticuloso leva tempo.

Passo 4: Exame microscópico

Usando um microscópio, o cirurgião examina todas as bordas e a parte inferior do tecido nas lâminas e, se ainda houver células cancerosas, marca sua localização no mapa. O médico então informa se você precisa remover outra camada de tecido.

Passo 5: Remoção da segunda camada

De volta à sala de cirurgia, o cirurgião injeta mais anestesia se necessário e remove outra camada de pele, precisamente onde as células cancerosas permanecem, com base no mapa. Então, enquanto você espera, o trabalho de laboratório começa novamente. Todo esse processo é repetido quantas vezes forem necessárias até que não haja mais células cancerígenas.

Passo 6: Reparação de feridas

Uma vez que o local esteja livre de todas as células cancerígenas, a ferida pode ser deixada aberta para cicatrizar ou o cirurgião pode fechá-la com pontos. Isso depende do seu tamanho e localização. Em alguns casos, uma ferida pode precisar de reconstrução com um retalho de pele, onde o tecido vizinho é movido para dentro da ferida, ou possivelmente um enxerto de pele. Em alguns casos, seu cirurgião de Mohs pode coordenar o reparo de sua ferida com outro especialista, como um cirurgião plástico, cirurgião oculoplástico ou cirurgião de mão. Na maioria dos casos, no entanto, o cirurgião de Mohs reparará a ferida imediatamente após obter margens claras.

Passo 7: Finalizando

Se forem necessárias mais de uma ou duas rodadas, todo o processo pode levar várias horas, portanto, esteja preparado para isso. Vale a pena, porém, porque esta técnica precisa tem a maior taxa de cura de qualquer método de tratamento e pode salvar a maior quantidade de tecido saudável, deixando a menor cicatriz possível. Siga cuidadosamente as instruções do seu médico para tratamento de feridas, cuidados com cicatrizes e acompanhamento para obter o melhor resultado.

Carcinoma e Queratoses Mohs

Preparando-se para o procedimento

Encontre um cirurgião de Mohs treinado pela irmandade

A história de Mohs

Mais sobre a cirurgia de Mohs

Faça uma doação
Procure um dermatologista

Produtos recomendados